Quais são as principais medidas de proteção que um condomínio pode tomar para evitar incêndios?

É sobre isso que vamos falar em detalhes neste artigo, confira:

Existem normas regulamentadoras que orientam aspectos técnicos em condomínios em relação a inúmeras áreas, uma delas é quanto à prevenção de incêndios.

Toda edificação deve cumprir certas normas para minimizar as chances de incêndio e para minimizar os danos, caso isso ocorra.

Dessa forma, é imprescindível conhecer essas normas não apenas para que o condomínio esteja dentro das normas, evitando multas, mas principalmente para que os condôminos estejam em um ambiente seguro, protegendo suas vidas e patrimônios.

Abaixo você irá conhecer as principais medidas de proteção contra incêndio vigentes para condomínios, que são os pontos analisados pelas seguradoras.

Normas sobre extintores
Todo condomínio deve ter extintores estrategicamente posicionados de forma que tenha acesso facilitado em casos de incêndio.

Cada andar deve conter ao menos dois extintores, que abranjam as classes de fogo A, B e C.
No entanto, é importante estar atento à recarga desses equipamentos, que deve ser feita anualmente.

Além disso, os síndicos, zeladores ou funcionários encarregados devem verificar constantemente se houve despressurização dos dispositivos.
Se o extintor tiver sido usado, então é necessário efetuar a recarga o mais rapidamente possível e não esperar que prazo de um ano vença.

Cuidados com os hidrantes
Os hidrantes compõem uma parte muito importante no combate a incêndio em condomínios.
No entanto, para que eles estejam devidamente regulares e para que sejam eficientes em casos de fogo, é importante que as mangueiras sejam enroladas corretamente.

Além disso, elas precisam estar sempre secas pois, armazená-las ainda molhadas ou úmidas faz com que elas apodreçam mais rapidamente.
Para assegurar sua eficiência, deve-se realizar testes hidrostáticos anualmente, pois, se houver vazamentos ou despressurização, poderá ser constatado e reparado.

Portas corta-fogo
As portas corta-fogo são itens essenciais na proteção contra incêndio, já que por meio delas é possível deter o fogo e o calor.
Dessa forma, elas ajudam a impedir que as chamas se alastrem para outros andares ou setores de um edifício ou condomínio.

Além disso, a função principal dessas portas é possibilitar a fuga dos condôminos em segurança.
É possível encontrar porta corta-fogo em materiais diversos: aço, cerâmica e até mesmo fibra de lã de rocha, pois são materiais que impedem a propagação das chamas.

Sinalizações estratégicas
As sinalizações são importantes quando houver incêndio, pois, orientam os moradores quanto a rotas de fuga e saídas estratégicas por caminhos seguros.

Isso impede que as pessoas passem por locais onde a chama esteja se alastrando.
Nos casos de condomínios verticais, ou seja, em prédios, as escadas são as principais rotas de fuga e por isso devem estar devidamente sinalizadas.

A sinalização pode ser feita com placas indicando onde há portas corta-fogo, extintores, hidrantes, alarmes etc.


Planos de emergência
O ideal é que o condomínio tenha um plano de emergência e que seja apresentado a todos os condôminos para que, dessa forma, todos saibam como proceder em caso de incêndio, evitando aglomeração e obstrução das passagens.

Dessa forma, o condomínio deve criar planos em formato de mapa, apontando todas as saídas, bem como a localização dos equipamentos de segurança.

Além disso, outra medida eficiente é ensinar aos moradores como manusear os equipamentos.
Vale ressaltar que muitos incêndios começam por descuido e têm origens domésticas, como eletrodomésticos ligados à tomada, esquecer fogão aceso, aquecedores, enfim, existem muitas possibilidades para o incêndio de um condomínio.

Dessa forma, uma outra estratégia eficiente é promover regularmente campanhas com os moradores orientando quanto às devidas medidas de proteção e práticas que devem ser evitadas.

Adotando as medidas adequadas, o condomínio estará em conformidade com a legislação vigente e manterá os condôminos, funcionários e visitantes a salvo, diminuindo tanto quanto possível os riscos.